Bela Maldade (Rebecca James)

Quando vi Bela Maldade em uma livraria, logo pensei: Intrínseca é ótima, lindas capas, mas infelizmente, tenho impressão de que nem sempre capa perfeita é sinônimo de boa leitura. E por sinal, a editora é a que, na minha opinião, possui as mais belas capas, principalmente na linha juvenil, o que mostra um belo investimento no mercado.

Bom, vamos ao livro. Rebecca James tem uma escrita deliciosa! É agradável, simples, corrida. Consegue narrar bem os fatos e personagens, ainda que sem muita complexidade, o que é totalmente aceitável uma vez que o livro funciona de forma bem dinâmica. Ora no presente, ora no futuro, Rebecca vai dando "pedaços" da trama, a qual instiga e a aventura de ligar os fatos só faz crescer sua expectativa para saber o que aconteceu de fato, a tragédia que assombra a vida da protagonista.

Katherine Patterson é uma personagem muito comum. Sem muito drama, sem muita "água com açúcar" e sem pontos fortes. Ela poderia ser eu, você, qualquer um. Vivencia uma tragédia que acabou com a vida de sua família e mudam-se para outra cidade. Entra em uma escola nova, não conhece ninguém, é a pessoa invisível da sala de aula e não consegue fazer amigos. Claro que esta receita pronta tinha que estar presente. Mas faz parte, afinal. Tudo muda quando ela conhece Alice, a garota mais popular do pedaço. Linda, sensual, ousada e confiante, Alice é a pessoa que toda garota gostaria de ser. Logo ela e Katherine se tornam inseparáveis, e tudo parecia estar indo bem, bem demais por sinal.

Ser mau. Quem nunca? Pra realizar joguinhos, pra se auto-afirmar, ou mesmo para se divertir. Assim é Alice, que pouco a pouco, vai mostrando que não é apenas um corpo bonito. Ela pode ser terrível quando quer, e ainda que Katherine perceba, os laços de amizade sempre falam mais alto, fazendo com que a protagonista compreenda as ações da amiga como caprichos ou meras brincadeiras. Porém, as coisas tomam um rumo que ultrapassa os limites e uma grande batalha psicológica é travada. Alguns personagens permeiam o universo de Bela Maldade, e são agradáveis. Você se vê desesperado para saber logo o que é esta tragédia que mudou tanto a vida de Katherine e sua família, e quando ela é descrita, você se emociona. E se angustia, muito.

Adorei a simplicidade da trama, tão realista e que provavelmente, muita gente já experienciou coisas parecidas. O final é satisfatório, nem tanto imprevisto, mas mesmo assim, surpreende. Gostaria muito de dar 4 estrelas, mas eu sou muito crítico e se um ponto não me agrada por completo, não consigo forçar. É uma ótima leitura! Indico a todos que não esperam coisas mirabolantes e complexos demais.

Ficha Técnica: James, Rebecca. Bela Maldade. 1ª edição. Rio da Janeiro: Intrínseca, 2011. 302 páginas.

Matéria escrita pelo colaborador Fabrício Raito.

06/11/2012

Gostou? Compartilhe!