Super-heróis e Cinema: De X-Men ao reboot de Quarteto Fantástico

Reboots são cada vez mais frequentes em Hollywood, principalmente entre filmes que adaptam super-heróis e HQs. Um exemplo clássico é o anúncio que a Sony fez pouco tempo após a estreia de Homem-Aranha 3, informando que estava trabalhando em uma nova franquia para o personagem, originando, mais tarde, O Espetacular Homem-Aranha.

A constante necessidade de renovar esse tipo de franquia e manter certa frequência entre o lançamento de um filme e outro tem relação direta com os contratos firmados entre estúdios e editoras detentoras dos direitos de publicação dos quadrinhos no qual tais filmes se baseiam. Embora o caso da Sony e do Homem-Aranha seja o mais conhecido entre a onda dos reboots, Fox e Warner também se preocupam em manter em suas mãos o domínio sobre estes verdadeiros caça-níqueis.

A Warner, dona de todo o catálogo da DC Comics, embora sofra com os constantes fracassos dos filmes sobre os personagens da editora, se viu, de repente, com uma mina de ouro ao lançar, em 2005, Batman Begins. Tratava-se, na época, de uma nova tentativa de levar Bruce Wayne e seu pseudônimo ao hall que era, até então, ocupado por Superman e alguns outros poucos poderosos. O resultado? Mais de 2 bilhões e meio de dólares com este e outros dois filmes da franquia. Além disso, o Batman de Christopher Nolan inaugurou e estabeleceu uma nova forma de abordar super-heróis nos cinemas. Forma esta que se tornou quase um dogma entre as produções do gênero.

Anos depois, no entanto, a própria Warner subverteu sua regra e investiu em um longa que deixa de lado o realismo dado como ideal depois da estreia de Batman e apresentou O Homem de Aço, que se aproxima muito mais das características dos quadrinhos do que do universo sombrio e realista que tanto fez bem à franquia do Cavaleiro das Trevas e a Watchmen (não esqueçamos de Watchmen!). Agora é a vez da 20th Century Fox - cuja maior franquia sob sua responsabilidade é a dos X-Men - tentar estabelecer um novo universo com personagens clássicos das HQs, mas subaproveitados no Cinema. Estou falando do Quarteto Fantástico, mas não me refiro àquela produção trash de 1994 que ninguém viu, mas que, mesmo assim, se tornou um clássico cult entre a galera geek. Falo, especificamente, das adaptações dirigidas por Tim Story em 2005 e 2007.

Quarteto Fantástico

Tanto Quarteto Fantástico quanto sua sequência não chegam a ser filmes ruins, mas o que têm de bobos também têm de inexpressivos. São longas que, diante de gigantes como Batman, Homem-Aranha e X-Men, dominantes na época, se tornaram meras fitas infantis incapazes de despertar o interesse de quem já tenha saído da adolescência. Diante da insatisfação da maioria do público, a Fox investe novamente na superequipe, agora com Josh Trank no comando.

Quarteto Fantástico

Trank ganhou notoriedade em 2012, após lançar Poder sem Limites, ficção-científica elogiada pela crítica especializada e muito bem recebida mundo afora. O baixo orçamento do longa e os números expressivos em bilheteria fizeram do diretor a opção ideal para a Fox que, perto de perder os direitos do grupo para a Marvel Studios, não tinha outra opção senão trabalhar em um novo filme para a equipe liderada por Reed Richards, o Sr. Fantástico. Caso contrário, seria esta a segunda perda do estúdio para a Marvel. Recentemente, a dona do Homem de Ferro tomou para si a tutela do Demolidor, até então marginalizado devido ao fracasso de seu primeiro filme.

Sendo a Fox uma das responsáveis pelo restabelecimento do gênero nos cinemas ao arriscar com X-Men – O filme, há 14 anos, e tendo um diretor aparentemente habilidoso à frente do projeto, pessoalmente, não vejo muitos motivos para temer o resultado final da produção. Digo isso porque o próprio Poder sem Limites serve como parâmetro para prevermos o que está por vir. Pesa a favor, ainda, a franquia dos mutantes que, exceto o deplorável X-Men Origens: Wolverine, rendeu ótimos longas e soube equilibrar de forma eficiente o teor de realidade e seriedade atrelado ao que é fundamentalmente característico das HQs.

X-Men

Além dos filmes e estúdios aqui citados, é necessário destacar, ainda, o trabalho da Marvel que, em apenas 6 anos, conseguiu a proeza de lançar oito grandes sucessos, entre eles Os Vingadores, terceira maior bilheteria de todos os tempos.

Voltando ao reboot de Quarteto Fantástico, a Variety divulgou em seu site a escalação de elenco. Você pode conferir no Selvageria os nomes dos atores, conhecer um pouco mais sobre cada um deles e seus principais trabalhos no cinema e também ler o que achamos da escalação do elenco. Confira na notícia a seguir:

Quarteto Fantástico  

Conheça o elenco do reboot de Quarteto Fantástico

Elenco do reboot de Quarteto Fantástico nos cinemas é anunciado. Conheça os atores escolhidos e leia nossa opinião a respeito.

20/02/2014

Matéria escrita pelo colaborador Renato Conceição.

Gostou? Compartilhe!