O Massacre da Serra Elétrica 3D (2013)

Título original: Texas Chainsaw 3D

Poster Sinopse:

Uma jovem viaja para o Texas para recolher uma herança; mal sabe ela que um encontro com um assassino faz parte da recompensa.

Diretor: John Luessenhop
Elenco: Alexandra Daddario, Trey Songz, Scott Eastwood, Tania Raymonde.
Duração: 92 minutos
Gênero: Terror

Parte do que move o entretenimento do cinema dos dias de hoje geralmente em filmes comerciais são as referências feitas aos filmes antigos. Pelo menos para os cinéfilos, já que é de se esperar que estes possuam maior conhecimento sobre cinema do que pessoas comuns. Por mais que às vezes passem despercebidas, muitos filmes dos dias de hoje possuem referências claras aos clássicos do cinema. Sendo uma sequência, um remake ou simplesmente um filme do mesmo gênero, é muito bacana percebermos estas intencionais semelhanças quando assistimos a um filme atual.

Crítica sem spoilers (por enquanto)

Para você que não está muito interado com o que estou dizendo, aqui vai um exemplo:
Frankenweenie (2012), de Tim Burton – Não só é um remake de uma versão de 1984 do próprio diretor, como também possui referências à filmes de terror famosos como “Godzilla”, “Nosferatu”, “Van Helsing” e é claro “Frankenstein”.

Essa pequena introdução foi necessária para falarmos de “O Massacre da Serra Elétrica 3D” - mais nova adaptação do caso real da família canibal do Texas que veio à tona em 1973’ - já que o filme não convence muito bem por sua história, mas pelas referências feitas. E são essas pequenas coisas que tornam este filme no mínimo digno de ser assistido.

Com uma introdução impecável (que acabou sendo a melhor coisa desse filme) no qual assistimos um ‘resumo’ do o que aconteceu no primeiro filme de 74’, com as cenas mais importantes do filme clássico (Sim, são usadas as cenas do antigo), descobrimos que este filme é uma continuação dos eventos ocorridos após o fim do primeiro filme. Partimos então do exato momento quando Sally escapa e continuamos com a polícia rapidamente indo à casa onde tudo aconteceu.

Texas Chainsaw

Daqui para frente deixamos de lado a história real e partimos para a ficção deste novo filme. Há um tumulto em frente à casa dos Sawyer, com policiais e pessoas da cidade que, revoltadas, ateiam fogo na casa e sendo assim, também na família Sawyer. Descobrimos que havia um bebê entre eles que foi salvo. E então finalmente avançamos para os tempos atuais. No filme, 2012.

Aquele bebê veio a ser Heather Miller, uma linda jovem que aparenta estar por volta dos 20 anos de idade. Espere, o quê!? Heather era um bebê em 1973 e uma jovem em 2012? Façamos as contas:

2012 – 1973 = Ela deveria ter 39 anos de idade! Este é um dos muitos furos de roteiro que se encontra em “O Massacre da Serra Elétrica 3D”. Furos que nos levam a pensar que os roteiristas Adam Marcus e Debra Sullivan sejam completos amadores. Só de pensar que esse super furo poderia ser resolvido simplesmente atestando que Heather é a filha ou whatever daquele bebê encontrado.

Para nivelar, é interessante perceber as jogadas de semelhança que o diretor John Luessenhop fez com a versão antiga, de 74’: A personagem “Nikki” - que faz aquele estereótipo da gostosa de todo filme de terror comercial - vivida pela maravilhosa Tania Raymonde, a toda hora é filmada de baixo, enfatizando seu corpo (leia-se bunda). Referência à personagem “Pam”, de 74’ que era filmada da mesma forma. E mais um detalhe: Ambas as personagens usam um shortinho vermelho.

Texas Chainsaw

A historinha (spoiler)

Heather descobre que herdará a herança de um parente que ela nem sabia que existia. Não sabia por quê? BAM! Ela havia sido adotada e na verdade Heather era a última da linhagem da família Sawyer. Então ela viaja com seus amigos para o Texas para herdar a herança que, BAM!, era a casa da família Sawyer. Eles decidem passar uns dias por lá e descobrem que, BAM!, lá residia ninguém mais ninguém menos que Leatherface, o mais perturbado dos Sawyer. E então começa o massacre.

~ Fim do spoiler ~

Quando terminei o filme, fiquei com uma sensação meio "- Espera, eu gostei desse final? Eu gostei desse filme!?" e a conclusão que tirei foi: Eu não odiei o filme. E provavelmente eu veria de novo, mas eu sou suspeito de dizer porque boa parte do filme eu estava hipnotizado pela Alexandra Daddario e a Tania Raymonde. Mas afirmo que o final é diferente e inesperado, mesmo que talvez não tenha sido bom.

E para encerrar, um detalhe que um amigo comentou comigo: Na verdade, o massacre não é feito com uma serra elétrica, e sim com uma motoserra. Serras elétricas precisam estar ligadas por fio. Acreditamos que o motivo deste erro seja porque a palavra em inglês "Chainsaw" sirva para ambos, serra elétrica e motoserra.

Confira o trailer

Obs: Há uma cena após os créditos do filme.
Até a próxima!

23/05/2013

NOTA DO SELVAGERIA:

Gostou? Compartilhe!

Brian A. Moreira

Brian A. Moreira

Hipotético designer e ilustrador. Diretor do Selvageria. Overthinker, coffee addict and cinema lover. Tudo isso ao som de Beatles!

Contato / Mídias sociais

  • Social Media
  • Social Media
  • Social Media
  • Social Media